Arquivo mensal: outubro 2012

MISTURADO

Não tenho netos biologicos…

Mas tenho um monte de netos…

O primeiro é o Billy meu poodle que tem 12 anos

Depois vem Alfredo, minha tartaruga que pensei que era “ele” e descobri outro dia que era “ela” pois botou ovo.

Depois vem o Tonho, que tem 7 ou 8 anos, nao tenho certeza;.

Depois deste vem os filhos de amigos e sobrinhos: Pedro Henrique, Lucas, Flora, Julia, Mateus, Pedro, Murilo…

A Flora tem umas saidas que adoro…outro dia ela virou pra mãe dela de falou…mãe…fulano é misturado né? A Mãe nao entendeu e perguntou…misturado como?: ela respondeu: ele é meio menina e meio menimo…

Rsrsrsr…aí arrumei uma palavra politicamente correta quando quero me referir a alguém gay, veado ou outro nome que falam por ai…

Fulano e ou Fulana e misturado… adorei…Até porque tenho um monte de de casal do mesmo sexo amigos…uns tenho intimidade para falar livrementw e outros nao tenho…agora já sei o que fazer…

Anúncios

PIT

Pit tinha o maior carinho com o Bruno. Aliás eu tenho sorte de so ter cachorro meio diferente…veja o Tonho hoje.
Um dia foi um macho para cruzar com ela e ele teve a ousadia de tentar atacar o Bruno…Ela jogou o Bruno debaixo dela e atacava o cachorro e ao mesmo tempo lambia o Bruno para ele se acalmar…
PIT era mesmo diferente…um dia estava brincando com ela de bola e na disputa eu passei minha mão dentro da boca dela e um dente fez um grande corte na minha mão…ela não teve culpa nenhuma, foi um acidente numa brincadeira. Mas quando ela viu aquele monte de sangue saindo a cachorra chorava tanto, que eu nem tive tempo de sentir dor…
Todo dia de manhã, quando ela via movimento na casa, ela começava a latir. Um dia acordei e não vi movimento da PIT. Fui até o quintal e ela estava lá com a boca aberta olhando pra mim…quando fui ver, dentro da boca dela tinha um filhotinho de pardal que tinha caido e ela estava lá com ele dentro da boca, mantendo-o quentinho, ou sei lá o que se passou na cabeça dela. Quando tirei o pardal e o coloquei em cima do muro, ela ficou lá até que outros pardais o acudissem.

BRUNO

Bruno era o coelho que convivia pacificamente com a PIT que era uma pastor alemão.
Vivia solto pela casa e quintal.
De vez em quando ele fugia e algum visinho o achava e trazia.
Um dia, uma visinha que morava ao lado bateu campainha lá em casa e disse: OLHA DA PROXIMA VEZ EU VOU DEIXAR ELE SER ATROPELADO…
É que o Bruno, apesar de mansinho, não gostava que pegasse ele na rua…voce tinha que chamar e ele te acompanhava.
Acontece que a visinha achou o Bruno quase que na esquina de rio Verde com Pihum-i e começou a chama-lo. Vamos Bruno…vamos pra casa…O Bruno dava tres saltos e parava…E ela continuava…Bruno, vamos, estou com pressa… e lá ia Bruno…dois pulos e parava…E assim foi até chegar lá em casa que era no meio do quarteirão…
Mas com esta cena…parou onibus…parou carro…juntou gente e todo mundo torcendo…uns para a pirraça do Bruno e outros para a tentiva da visinha de leva-lo.

GALINHEIRO

Na mesma casa da Rua Rio Verde, meu marido fez um galinheiro…
Ai comprou 20 franguinhos e colocou lá.
Deu uma tremenda chuva e quando cheguei no galinheiro os franguinhos estavam ensopados, tudo tremendo de frio com água até as asas.
Peguei todos, levei para a cozinha, liguei o forno bem fraquinho, peguei um secador e fui secando um a um e colocava no forno aberto num tabuleiro, para eles recuperarem o calor, pois estvam gelados.
Salvaram-se todos!!!
Depois eles começaram a ganhar nomes…tinha um Galo que chamamos de Heitor, depois teve filhotes que um deles chamamos de Junior…tinha a Gabriela, a Toninha, e assim por diante.
Botavam quase uma duzia de ovo por dia…
Quando meu marido resolveu acabar com o galinheiro queria comer as galinhas…disse a ele, nem pensar…imagina eu chamando meus filhos e dizendo…meninos venham que a Gabriela esta na mesa…
Demos para outras pessoas que se os comeram, não quis saber.

quoroc

Estou aqui revisando meus post, reclassificando e ai encontrei a palavra PATO.
Me lembrei de quando morava numa casa na Rua Rio Verde e tinha lá um laguinho com dois patos.
Um deles era super estranho…tinha as penas tal qual um galo indio, tinha espora e ao inves de quac quac, soltava QUOROC QUOROC.
Um dia ele sumiu…acho que voou para algum lugar.

TONHO DE NOVO

A ração do Tonho começou a ser gasta o dobro do que ele comia mensalmente…
Fui saber o que estava acontecendo…
Sabem o que é? Os pombos e os bem-te-vis do bairro descobriram a ração dele e vão aos bandos se alimentar.
Acha que ele fica bravo e os espanta? Não…ele fica lá, do lado da vasilha e aquele monte de passaros se alimentando, tomando da sua água e ele feliz com as suas dezenas de novos amigos…