EU JURO, by Tânia Machado

BOM DIA A TODOS!

30 de junho de 2015
Deixe um comentário

Estou indo agora à Cidade Administrativa para achar uma emenda orçamentária do Deputado Almir Paraca (aquela que não foi paga na Feira Nacional, lembram-se)que sumiu!

Isto mesmo – a emenda sumiu…

O Deputado tinha R$ 1,5 milhões em emendas e na hora que foi feito o compromisso do governador Pimentel de pagar tudo o que ficou pra tras no governo anterior, so apareceu R$ 1 milhão – os R$ 500 mil, sumiram…

Ninguém sabe explicar o motivo…so sabem que a emenda não foi executada pela SEDE (pelo menos nas vias normais) e não retornou novamente.

Tenho minhas desconfianças se isto não foi nenhum jogada contábil do governo anterior que usou a emenda para pagar alguma coisa escondido, achando que como era para a Feira nacional do ano passado ninguém ia notar.

Mas se foi isto, esqueceram-se que a emenda era para despesas ligadas ao Centro Cape e na frente do Centro Cape estou eu…

O Deputado Tiago Ulisses (filho da ex deputada Maria Olivia, que apoiou a Mãos de Minas no seu inicio na época da LBA) é que esta nos ajudando a “achar” a emenda.

Anúncios

STARTUP

30 de junho de 2015
Deixe um comentário

Em meados do ano passado, decidimos criar um espaço de coworking para trabalhar com startups.
Não entendia nada do assunto, mas mesmo assim resolvemos fazer, pois queríamos otimizar um andar de onde funciona o Centro Cape na rua Grão Mogol.
Fui então a um encontro em São Paulo para o lançamento do CAMPUS da Google e foi o primeiro contato com o pessoal que trabalha com isto.
Vi então que não entendia nada de nada, além de ser a única avó no meio daquela garotada.
Mas decidi enfrentar o desafio…
Buscamos ajuda com o pessoal da FARM – a maior aceleradora de empresas do país, fomos atrás do Sebrae e da Fiemg e conseguimos realizar o primeiro encontro FARM de aceleração no nosso espaço que denominamos de THE PLANT.
Foram cinco semanas de aprendizado, com 74 empreendedores, que só falavam siglas e eu tentando acompanhar.
Tive que jogar por terra o que vinha dizendo há algum tempo de que não queria aprender mais nada, pois meu HD cerebral estava cheio e não cabia mais informações.
Agora, posso dizer que entendo 70% do que eles falam…mas está valendo muito a pena, pois é uma meninada vibrante que acredita no futuro e que o Brasil tem jeito…
Vou ir contando aos poucos a história de cada um deles, ok?


XXVI FEIRA NACIONAL DE ARTESANATO

30 de junho de 2015
Deixe um comentário

Socorro! Não estamos conseguindo patrocínios!
Apesar de estar na lei de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet no Art. 18 com 100% de abatimento no Imposto de Renda a Pagar, esta uma grande dificuldade de conseguir patrocínios.
O grande problema é que as empresas que pagam imposto de renda o lucro real, não sabem que podem ter este benefício. Acham que é muito complicado e seus contadores não conhecem o processo que é super simples.
As empresas podem doar até 4% do Imposto de Renda a pagar para projetos na área cultural e 2% para projeto na área esportiva.
O documento é super simples, quando emitimos um recibo oficial do MINC do valor doado (que é depositado numa conta bloqueada pelo Minc para posterior liberação) e quando da emissão da guia de pagamento do imposto por parte da empresa, ela lança no campo apropriado o valor doado e so paga a diferença.
Se você tem uma empresa que pague imposto de renda por lucro real, aproveite esta chance de fazer um programa na responsabilidade social, fazer divulgação da sua empresa sem gastar um tostão sequer.
Entre em contato conosco


XXVI FEIRA NACIONAL DE ARTESANATO

29 de junho de 2015
Deixe um comentário

Fico vendo os nomes e valores que envolvem os escandalos hoje no Brasil.
Muitas destas empresas, no ano passado havíamos pedido patrocinio para a Feira Nacional que acabaria beneficiando milhares de artesãos brasileiros (a feira proporciona renda para mais de 20.000 artesãos) terem negado os patrocinios, alegando não ter mais verba. E olha que o pedido de patrocinio era para abater 100% no Imposto de Renda a Pagar, já que a feira é beneficiada pela lei de Incentivo a Cultura.
Fico vendo os valores e pensando…menos de 1/100 do que foi roubado daria para patrocinar todos os eventos que já realizamos nestes últimos 25 anos.


FEIRA NACIONAL DE ARTESANATO

29 de junho de 2015
Deixe um comentário

É do conhecimento de todos que a FEIRA NACIONAL DE ARTESANATO necessita de apoios e patrocinios para que seja realizada na forma que sempre se apresentou.
O custo do evento é de quase R$ 7 milhões de reais e com a venda de stand conseguimos pouco mais do que R$ 1,8 milhões.
No ano passado, pressentindo que por causa das eleições nacionais e Minas ter um candidato a Presidência, todos os patrocinios federais iriam cair – não deu outra: Petrobrás, Fundação Banco do Brasil, Correios, Apex, Furnas não patrocinaram fazendo com que perdêssemos cerca de R$ 1,6 milhões em apoios.
Mas com planejamento, reduzimos nosso investimento, adequando a nova realidade.
Mas não podíamos imaginar que a uma semana do inicio da feira, no fim de novembro o governo de Minas Gerais iria cancelar uma emenda orçamentária que tínhamos no valor de R$ 500 mil que todo o ano o Deputado Almir Paraca dedicava a feira e havia o compromisso do governo de Minas pagar, mas não cumpriu a sua palavra.
Como se não bastasse, o PAB – Programa de Artesanato Brasileiro do Governo Federal, decidiu fazer um evento de artesanato em São Paulo, uma semana depois de nossa feira e com isto cancelou a aquisição de 500m2 de área e outros Sebraes que decidiram participar da feira de São Paulo, cancelaram outros 300m2.
Quem saiu ganhando foi a Economia Solidária, pois como a uma semana da feira não conseguiriamos mais vender este espaço tivemos que fazer uma doação ao programa de Economia Solidária que em peso participou do evento.
Mas nos ficamos com mais um prejuizo de R$ 320.000,00, num orçamento já apertado.
Que sofreu foram os nossos fornecedores que alguns estão sem receber até hoje…Ainda bem que temos credibilidade e eles sabem que não foi por irresponsabilidade que tivemos este buraco na feira.


ABEXA II

29 de junho de 2015
Deixe um comentário

A história:

ABEXA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO DE ARTESANATO

Julho 2010 – a Apex informa aos PSI existentes (Minas, São Paulo, Paraná e Ceará) que não renovará os convênios e as entidades tem que se reunir e criar uma entidade nacional.

Julho/Dez 2010 – A Apex disponibiliza uma consultoria para apoiar a criação da entidade.

Dezembro 2010 – É criada a ABEXA – Associação Brasileira de Exportação de Artesanato

Maio 2011 – é assinado o primeiro convenio da Abexa com a Apex mas os associados somente poderiam se beneficiar dos recursos quando finalizassem suas prestações de conta com a Apex.

Junho/Agosto 2011 – Centro Cape, Ica e Artest tem suas contas aprovadas.

Setembro 2011 – A Fazer Brasil não tem suas contas aprovadas e tem que sair da ABEXA.

Outubro 2011 – É feito o primeiro bloqueio na conta da Abexa, no valor de R$ 923.586,24 realizado pela DIM Import Export numa ação contra a Fazer Brasil sob a alegação de que a ABEXA foi criada para ser uma “laranja” da Fazer Brasil.

Nesta data, tomamos conhecimento de que a Fazer Brasil já tinha tido valores referente ao seu convenio Apex bloqueado pela mesma DIM Import Export.

Outubro 2011 – Entramos com uma ação e conseguimos suspender o levantamento do recurso por parte da DIM.

Maio 2012 – Apesar do bloqueio dos recursos, a Apex considerando que a Abexa não tinha nenhuma responsabilidade, renovou o convênio ate dezembro de 2013.

Fevereiro 2013 – Baseado no mesmo recurso a DIM conseguiu mais um bloqueio nas contas da Abexa no valor de R$ 344.552,57.

Fevereiro 2013 – Novamente entramos com uma ação de embargos para evitar o levantamento dos recursos por parte da DIM.

Setembro 2013 – Por sugestão da Apex, antecipamos a finalização do projeto em setembro de 2013.

Setembro 2013 – Com a participação da Apex, realizamos o planejamento estratégico para a renovação do convenio 2013/2015

Outubro 2013 – nos reunimos com a gestora do projeto Apex – Marcia Gomide para fechar os detalhes da renovação do convenio e adequação financeira dentro do valor a ser disponibilizado.

Outubro 2013 – Foi autorizada a inserção dos dados no SIG, entendido como uma pré aprovação do projeto.

Novembro 2013 – O Gerente Cristiano e o Diretor Ricardo Santana, chamam o funcionário da ABEXA para ir ao Hotel Mercure em Brasilia e no hall de entrada do hotel informam ao nosso funcionário que o projeto não seria renovado, numa total falta de respeito para com a instituição.

Novembro 2013 – Solicitamos uma reunião na Apex, onde fomos novamente informados pelo Sr. Cristiano que a Apex não queria mais nenhum relacionamento com a Abexa e ponto final.

Dezembro 2013 a fevereiro de 2014 – Como prêmio de consolação, A Apex decidiu por apoiar os eventos onde já havia sido pago o chão na Maison a Ambiente, menos a New York Now que era gerida pelo Centro Cape, com a alegação de que não negociávamos direto com o promotor do evento e sim com nosso parceiro local – situação esta verdadeira e que vinha acontecendo desde o ano de 2005 (foram mais 40 eventos nos EUA nesta mesma situação), cujas prestações de contas foram todas aprovadas sem nenhum questionamento. Inclusive as prestações de contas da Abexa.

A ABEXA – Com o cancelamento do projeto por parte da APEX, todos os associados solicitaram o seu desligamento da Abexa, restando somente o Centro Cape, O Moitará e a Solidarium (esta como presidente).

Em julho de 2014, a Solidarium solicitou o desligamento da Abexa, criando inclusive uma situação delicada, pois não haveria quem assinasse pela entidade.

Em novembro de 2015, reativamos a Abexa com três associados: Centro Cape, Moitará e Central Mãos de Minas, para mantê-la em funcionamento até que se defina os bloqueios, pois não há como encerrar as atividades.

Bloqueio – Já ganhamos em 2014 nas três instâncias da 27ª. Vara Civil por voto unanime dos desembargadores, restando agora a DIM, recorrer a Brasilia, que segundo nossos advogados as chances de reverter a situação é mínima.

Mercado – o Instituto Centro Cape, consciente de que o mercado que conquistamos nestes últimos 12 anos não poderia ser abandonado, pois perderíamos assim todo o nosso trabalho, decidiu por continuar com as ações nos EUA e para isto, assumimos os custos de alguns eventos até janeiro de 2015, o que agora não conseguimos fazer mais.

Participamos dos seguintes eventos:
New York Now – jan-ago/14, jan/15
Arte Expo – mar/14 (apoiada pelo Itamaraty)
ICFF – mai/14 e mai/15 (apoiada pelo Itamaraty)
Fancy Food – jul/15
Accessories – julho/14 (apoiada pelo Itamaraty)
Bryant Park – nov-dez/14
Show room – até set de 2014 quando tivemos que fechar.
Centro de Distribuição em New Jersey – mantido graças aos nossos parceiros locais.

Em julho de 2014, fomos até o Ministro Mauro Borges pedindo a ele que intercedesse junto a Apex para realizar um convenio com o Instituto Cetro Cape (não a Abexa), para darmos prosseguimento as ações nos EUA, pois sabíamos que não conseguiríamos mais assumir os custos dos eventos.

De dezembro de 2013 até a presente data, tivemos as seguintes despesas:
– Despesas que eram cobertas pelo convenio – R$ 837.762,79
– Advogados (já pagos) – R$ 42.000,00
– Advogados (a pagar) – R$ 140.000,00
– Show Room em New – até set/14 – R$ 270.000,00
– manutenção da Abexa (contador, internet,etc) – R$ 96.759,00
Desembolsado até o momento – R$ 1.246.522,76

A desembolsar – R$ 140.000,00

Todas estas despesas estão sendo pagas pelo Instituto Centro Cape, tirando recursos de seus projetos, manutenção e com empréstimos bancários.

Agora, a propria APEX reconheceu numa das ações que entrou contra a DIM que a ABEXA não tem nem nunca teve nada a ver com os bloqueios e que o recurso bloqueado pertence a APEX e não a ABEXA, pedindo ao juiz que repassasse a titularidade do bloqueio para a Apex.

Sendo assim, não conseguimos entender o posicionamento da Apex, negando ao Centro Cape um convenio que beneficiaria milhares de artesãos brasileiros.


ABEXA I

29 de junho de 2015
Deixe um comentário

Depois de ver que a APEX realmente não quer nada com a ABEXA, decidi retormar o site e tentar fazer por conta própria.
O novo site é uma forma de aproximação do comprador internacional com o artesão local.
Evidente que as dificuldades são as de sempre. O artesão, na sua grande maioria não esta preparado para exportar, mas se não começar a tentar, nunca vai se preparar.
O site já esta com mais de 100 artesãos e como conseguimos com o Google um Grants no adwords, o site tem tido mais de 700 acessos/dia.
A grande maioria dos acessos é de artesão que pesquisa na internet chances de melhorar sua performance, mas já tivemos algumas demandas.
O site foi lançado oficialmente há dez dias e já teve quase 10.000 views.
No site temos o associado apoiado (o artesão/artista), o associado apoiador (trandings, despachantes, comercial exportadoras) e entidades de apoio (aqueles que de uma forma ou de outra apoiam o artesão na formação e mercado).
Esta em portugues/ingles, mas sem a tradução automática, somente dos textos introdutórios e explicativos. Para a tradução de todo o site fica meio complicado sem recursos, pois teríamos que traduzir todos os textos – inclusive da história dos artesãos, nome dos produtos, matérias primas, etc.

O endereço do site é http://www.abexa.org.br


VOU TENTAR VOLTAR A ESCREVER

29 de junho de 2015
Deixe um comentário

To fora do blog há quase 1 ano…

Mas agora vou voltar a escrever…pelo menos vou tentar…

Vamos atualizar algumas noticias…


Publicado em Uncategorized