EU JURO, by Tânia Machado

Saiu a Regulamentação da Profissão de Artesão…É o PL 7755/2010

18 de setembro de 2015
Deixe um comentário

No seu artigo terceiro diz que o artesão somente renovará a sua carteira, caso comprove o recolhimento do INSS nos últimos doze meses!!!

Será que a Dilma também esta querendo dar uma mordida no artesão para ajudar a pagar o seu deficit? Ela deve ter feito a conta…8,5 milhões de artesãos X R$ 86,00 mes X 12 meses…OBA!!!são R$ 8,7 bilhões de reais…

Isto quer dizer que, se for o recolhimento simplificado sobre um salário mínimo o valor de contribuição mensal será de R$ 86,68, se for o normal, será de R$ 157,60!!!

Mesmo o simplificado, a lei demonstra um total desconhecimento da realidade, principalmente do artesão do campo…R$ 87 por mês para ele é uma fortuna e muitos nem vendem isto.

Desconheço outra profissão regulamentada que linca a continuidade do reconhecimento à contribuição ao INSS.

Art. 3o. O artesão será identificado pela Carteira Nacional de Artesão, válida em todo território nacional, por, no mínimo, 1 (hum) ano, a qual somente será renovada com a comprovação das contribuições sociais vertidas para a Previdência Social, na forma do regulamento.


VOCE CONHECE O SEU PERFIL COMO EMPREENDEDOR?

4 de setembro de 2015
Deixe um comentário

Entre no site http://www.centrocape.org.br/questionario/ e veja o seu resultado.
Se quiser guardar, não se esqueça de salvar, pois os dados são apagados imediatamente tão logo voce saia do questionário.


Artesanato e o futuro

1 de setembro de 2015
Deixe um comentário

Tem me preocupado muito os boatos que estão correndo por aí de que o Governo Federal esta querendo voltar o artesanato para o Ministério do Trabalho para ser atendido no programa de Economia Solidária, tirando da Secretaria de Micro e Pequena Empresa.
Isto é um desrespeito e um retrocesso de 30 anos, quando o artesanato estava no MTE, no programa PNDA (Programa Nacional de Desenvolvimento do Artesanato).
Dos anos 80 pra cá o artesanato tomou outros rumos. Exporta, participa de eventos no Brasil e exterior – a grande maioria sem subsídios, patrocinados pelos próprios artesãos. Tem uma participação no PIB nacional de mais de R$ 50 bilhões (dá pra cobrir o déficit da Dilma…rsrsrs), é o maior distribuidor de renda deste país.
Nada contra a Economia Solidária, mas voltar a ser tratado como projeto social é um grande retrocesso. Não temos que voltar a ser projeto social e sim fazer com que a Economia Solidária venha para o empreendedorismo e participação ativa na economia.
Nos, dentro do possível, apoiamos a Economia Solidária com treinamentos, cartilhas, acesso ao treinamento on line na gestão de negócio, consultorias etc. Tudo para que eles possam crescer e ser “donos do seu próprio nariz”.
Para se ter uma noção do crescimento do artesanato, no site de exportação da Abexa – http://www.abexa.org.br, apesar de ter somente 60 dias de lançamento, tem 400 acessos/dia, dos quais 17% são de pessoas de fora do Brasil e neste período recebeu 27 demandas, sendo 13 do exterior.
O que é um artesão/produtor? Empregado ou empresário? Lógico que ele é empresário! Ele é o dono do seu negocio, ele quem decide os caminhos a tomar, ele que decide o que vender e a que preço…Não dá pra tratar o artesão somente como trabalhador. Ele tem um papel muito maior na economia brasileira.