EU JURO, by Tânia Machado

Hoje é o Dia Internacional da Mulher…

8 de março de 2016
Deixe um comentário

 

Acordei pensando no que ia escrever no meu blog e aí voltei a 1983, quando foi criado o Conselho Estadual da Mulher e também o projeto de Governo Mãos de Minas e me lembrei imediatamente de Luzia Ferreira.

Conheci Luzia naquela época, super ativa com as questões da mulher mas sem ser radical igual a muitas que tinha no grupo do CEM. Sempre ponderada, discutindo as situações, mas trazendo às realidades que poderiam e deveriam ser alcançadas.

E nestes 33 anos, toda vez que precisei da Luzia Ferreira ela se colocou disponível.

Tivemos um problema com a Mãos de Minas e a Receita Municipal e ela imediatamente nos colocou em contato com as pessoas certas para solucionar legalmente a questão.

Na época discutimos a bi tributação nas feiras quando o prestador de serviço e o promotor do evento pagavam ISSQN sobre o mesmo serviço e ela introduziu o tema na Fazenda Municipal que se tornou a lei que permite hoje que haja compensação de ISSQN.

Quando do advento do MEI onde as pessoas que moravam na periferia e transformavam em MEI perdiam o IPTU Social, foi uma das pessoas que nos ajudou a que esta situação não acontecesse e se mantivesse o IPTU Social, apesar de ter naquele local a inscrição de um CNPJ.

Agora, novamente precisamos dela numa situação da Feira Nacional do ano passado e lá estava a Luzia nos levando a comunicar com as pessoas certas.

Então de tudo que me lembro de bom que aconteceu desde aquela época, Luzia Ferreira é uma delas e neste dia quero homenagea-la.

Parabens Luzia, pelo dia Internacional da Mulher!

Anúncios

Publicado em Uncategorized

É… BOM…

5 de março de 2016
Deixe um comentário

O Lula saiu do Palácio do Planalto quando deixou a Presidência da Republica com não sei quantos conteiners de presentes.

Não sei se a resolução abaixo ainda está em vigor, mas se tiver…

Da mesma forma, pagar o transporte dos presentes, é um presente, que não pode ser feito por empresas que tenham relação comercial, interesse profissional dentre outros.

 

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2000

Regras sobre o tratamento de presentes e brindes aplicáveis às autoridades públicas abrangidas pelo Código de Conduta da Alta Administração Federal

        A Comissão de Ética Pública, com fundamento no art. 2º, inciso V, do Decreto de 26 de maio de 1999, e considerando que:

        a) de acordo com o art. 9º do Código de Conduta da Alta Administração Federal, é vedada a aceitação de presentes por autoridades públicas a ele submetidas;

        b) a aplicação da mencionada norma e de suas exceções requer orientação de caráter prático às referidas autoridades,

        Resolve adotar a presente Resolução de caráter interpretativo:

        Presentes

        1. A proibição de que trata o Código de Conduta se refere ao recebimento de presentes de qualquer valor, em razão do cargo que ocupa a autoridade, quando o ofertante for pessoa, empresa ou entidade que:

        I – esteja sujeita à jurisdição regulatória do órgão a que pertença a autoridade;

        II – tenha interesse pessoal, profissional ou empresarial em decisão que possa ser tomada pela autoridade, individualmente ou de caráter coletivo, em razão do cargo;

        III – mantenha relação comercial com o órgão a que pertença a autoridade; ou

        IV – represente interesse de terceiros, como procurador ou preposto, de pessoas, empresas ou entidades compreendidas nos incisos I, II e III.

        2. É permitida a aceitação de presentes:

        I – em razão de laços de parentesco ou amizade, desde que o seu custo seja arcado pelo próprio ofertante, e não por pessoa, empresa ou entidade que se enquadre em qualquer das hipóteses previstas no item anterior;

        II – quando ofertados por autoridades estrangeiras, nos casos protocolares em que houver reciprocidade ou em razão do exercício de funções diplomáticas.

        3. Não sendo viável a recusa ou a devolução imediata de presente cuja aceitação é vedada, a autoridade deverá adotar uma das seguintes providências, em razão da natureza do bem:

        3.  Não sendo viável a recusa ou a devolução imediata de presente cuja aceitação é vedada, a autoridade deverá adotar uma das seguintes providências:(Redação dada pela Resolução nº 6, de 25.7.2001)

        I – tratando-se de bem de valor histórico, cultural ou artístico, destiná-lo ao acervo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-IPHAN para que este lhe dê o destino legal adequado;

        II – nos demais casos, promover a sua doação a entidade de caráter assistencial ou filantrópico reconhecida como de utilidade pública, desde que, tratando-se de bem não perecível, esta se comprometa a aplicar o bem ou o produto da sua alienação em suas atividades fim.

        II – promover a sua doação a entidade de caráter assistencial ou filantrópico reconhecida como de utilidade pública, desde que, tratando-se de bem não perecível, se comprometa a aplicar o bem ou o produto da sua alienação em suas atividades fim; ou(Redação dada pela Resolução nº 6, de 25.7.2001)

        III – determinar a incorporação ao patrimônio da entidade ou do órgão público onde exerce a função.(Incluído pela Resolução nº 6, de 25.7.2001)

        4. Não caracteriza presente, para os fins desta Resolução:

        I – prêmio em dinheiro ou bens concedido à autoridade por entidade acadêmica, científica ou cultural, em reconhecimento por sua contribuição de caráter intelectual;

        II – prêmio concedido em razão de concurso de acesso público a trabalho de natureza acadêmica, científica, tecnológica ou cultural;

        III – bolsa de estudos vinculada ao aperfeiçoamento profissional ou técnico da autoridade, desde que o patrocinador não tenha interesse em decisão que possa ser tomada pela autoridade, em razão do cargo que ocupa.

        Brindes

        5. É permitida a aceitação de brindes, como tal entendidos aqueles:

        I –que não tenham valor comercial ou sejam distribuídos por entidade de qualquer natureza a título de cortesia, propaganda, divulgação habitual ou por ocasião de eventos ou datas comemorativas de caráter histórico ou cultural, desde que não ultrapassem o valor unitário de R$ 100,00 (cem reais);

        II – cuja periodicidade de distribuição não seja inferior a 12 (doze) meses; e

        III – que sejam de caráter geral e, portanto, não se destinem a agraciar exclusivamente uma determinada autoridade.

        6. Se o valor do brinde ultrapassar a R$ 100,00 (cem reais), será ele tratado como presente, aplicando-se-lhe a norma prevista no item 3 acima.

        7. Havendo dúvida se o brinde tem valor comercial de até R$ 100,00 (cem reais), a autoridade determinará sua avaliação junto ao comércio , podendo ainda, se julgar conveniente, dar-lhe desde logo o tratamento de presente.

        Divulgação e solução de dúvidas

        8. A autoridade deverá transmitir a seus subordinados as normas constantes desta Resolução, de modo a que tenham ampla divulgação no ambiente de trabalho.

        9. A incorporação de presentes ao patrimônio histórico cultural e artístico, assim como a sua doação a entidade de caráter assistencial ou filantrópico reconhecida como de utilidade pública, deverá constar da respectiva agenda de trabalho ou de registro específico da autoridade, para fins de eventual controle.

        10. Dúvidas específicas a respeito da implementação das normas sobre presentes e brindes poderão ser submetidas à Comissão de Ética Pública, conforme o previsto no art. 19 do Código de Conduta.

Brasília, 23 de novembro de 2000

João Geraldo Piquet Carneiro
Presidente da Comissão

Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 1.12.2000


Publicado em Uncategorized
Tags: ,

SINDICATO PATRONAL

2 de março de 2016
Deixe um comentário

Nesta época do ano recebo no Centro Cape um monte de guia de sindicatos diversos para que paguemos a contribuição patronal.

Quando eu digo que o nosso sindicato é a FENAC eles ficam bravos e ainda ameaçam…

quando vão colocar um basta nesta roubalheira!


Publicado em Uncategorized

É DEVAGAR…É DEVAGAR…

2 de março de 2016
Deixe um comentário

Segundo a musica de Martinho da Vila, temos…é devagar…é devagar…é devagar devagarinho…

Pois é…a ultima é que idosos para andar de graça em onibus tem que comprovar renda inferior a dois salários minimos!!!

Será que isto vale também para a entrada gratuita em eventos??????


Publicado em Uncategorized