EU JURO, by Tânia Machado

MORRO DO PAPAGAIO

7 de outubro de 2009
Deixe um comentário

Hoje estamos subindo o Morro do Papagaio com centenas de brinquedos que foram arrecadados pelo Patio Savassi, no ultimo Natal na campanha Natal do Bem.
Como os brinquedos chegaram depois do Natal, decidimos que eles seriam distribuidos numa outra oportunidade.
Hoje estamos indo lá para entregar para as mães crecheiras, de forma que elas possam presentear os acolhidos no Dia das Crianças.
Para quem não sabe, “mãe crecheira” é aquela pessoa que sem ser uma creche oficial, toma conta das crianças no Morro para que seus pais possam ir trabalhar. Como são informais, não tem nenhuma ajuda governamental, nem do Estado e nem da Prefeitura e tem que bancar as despesas com as pequenas ajudas financeiras que as pessoas podem dar.
Por isto temos sempre o foco nelas: recebem os alimentos recolhidos na Feira Nacional, este ano vão receber em equipamentos, o que for vendido no Mercado das Pulgas da FNA e recebem os brinquedos que também ganhamos.
O resto dos brinquedos (que são muitos), estaremos levando aos hospitais infantis da cidade de Belo Horizonte, para as crianças das enfermarias.

Anúncios

PRECONCEITO E AUTO ESTIMA

4 de maio de 2009
1 Comentário

patio-savassiO projeto com os meninos e meninas do Morro do Papagaio, financiado pela Fundação Banco do Brasil com recursos do Senaes e Ministério do Trabalho e Emprego agora deslanchou.
Já estamos com 42 adolescentes em sala de manhã e de tarde.
Amanhã eles vão em excursão no Patio Savassi, onde vamos discutir o preconceito e a auto estima. Este foi um assunto levantado por eles, pois nos primeiros dias, quando chegavam ficavam na porta do Centro Cape indecisos em entrar. Quando indagados o porque não subiam, eles espantados perguntavam: mas podemos ir entrando? O segurança não vai nos barrar? Ninguém vai nos acompanhar até a sala do terceiro andar? Querem revistar a nossa mochila? Quando nossas respostas eram que eles agora faziam parte do Grupo de Desenvolvimento e ninguém ia barra-los ou revistá-los, a principio eles ficaram super desconfiados, pois não estavam acostumados com este tipo de tratamento. Conversamos então sobre isto: até onde não são eles que criam os preconceitos? Por que eles sempre tem que pensar que “o outro” esta desconfiando deles? Que atitude devem tomar para si e frente os outros para neutralizar isto?
Então amanhã vamos ao Pátio Savassi, um dos shoppings mais chiques de BH. Vamos visitar lojas e eles vão lanchar. Nesta primeira semana de atividades, eles já mudaram a sua postura. Antes chegavam de chinelo, com boné virado pra trás, camisetas às vezes sujas…hoje chegam de banho tomado, de tenis ou sapato e cabelinhos penteados…ninguém mandou que ele fizessem isto…é a auto estima levantando…